Filha da cantora Fafá de Belém, Mari foi além da música para ter sucesso e se tornar a “queridinha” das empresas do segmento infantil na internet

Brasil Econômico


Após sofrer um aborto espontâneo em 2010, Mari Belém enfrentou um período doloroso com a frustração da gestação interrompida. Nesse período passou a estudar sobre o que havia acontecido durante o processo, até que em 2011, pôde engravidar novamente. Foi então que surgiu a ideia de dividir a experiência com outras mulheres — e foi um sucesso.

Divulgação
"Mamãe de primeira viagem" é o blog de sucesso da filha de Fafá de Belém


LEIA MAIS:  Startup brasileira fatura R$ 1,4 milhão com Bitcoins

"Com a intenção de ajudar os pais que perdem seus filhos, e encoraja-los a perseverar e acreditar que é possível, passei a trocar muitos e-mails com histórias e experiências. Comecei cada vez mais a dividir dicas e, por outro lado, me sentir ajudada por essas pessoas também, com suas experiências. Foi então que surgiu a ideia de criar um blog, que pudesse reunir o máximo de informações que as mamães de primeira viagem (e segunda, e terceira…) precisam e querem saber", comenta Mari, que conta em entrevista ao canal Empreendedorismo detalhes da trajetória de sucesso  como blogueira no "Mamãe de primeira viagem".

Campanha do blog de Mari de Belém
Divulgação
Campanha do blog de Mari de Belém




Além do momento que te levou a interação com outras mães, alguém te encorajou a investir no blog?
Eu sempre sonhei muito sobre vitórias, crescer profissionalmente, mas, mesmo tendo ideias boas para isso, somente com a visão do meu marido consegui organizar e estruturar tudo. Hoje eu já sei como executar, mas precisei dele para me ensinar a colocar em prática.

Como é a vida de mãe e sócia das filhas?

Tenho duas filhas, uma de apenas seis meses (Julia) e outra de quatro anos (Laura). Elas fazem parte do meu trabalho, pois é minha experiência com elas que faz com que eu consiga falar da maternidade e ajudar outras pessoas. Laura é mais exibida e não duvido que siga algo artístico. Julia é toda risonha, mas acredito que será mais na dela.

Você imaginava que o blog iria crescer tanto?
O blog é meu maior empreendimento. Fiz dele meu ganha pão, porém nunca pensei que fosse ser tão reconhecida por ele, tanto pelo público, quanto pelas empresas. Por meio dele dei palestras para a Unicef, trabalhei com empresas como Johnson & Johnson, Danone, Nextel, Mattel, Laboratórios GSK e Aché, entre outras. Fui convidada para lançar linha baby em lojas de enxovais, tudo por conta do trabalho no blog.

Quais são suas características que potencializam isso?

Acredito que a maneira “normal” que eu falo sobre a maternidade, sem o glamour, priorizo o lado real da vida das mães. Dessa forma, fica claro que sou mãe como qualquer outra. Fora que pesquiso e estudo tudo que vou postar e tenho base científica para todos os temas, nunca postando algo sério apenas como minha opinião. As empresas veem seriedade no meu trabalho e as mães veem verdade em mim.

Quais os próximos passos?
Estou focada no crescimento do meu canal no youtube, na produção de conteúdo, com boa edição e vinheta. Estou prestes a investir em palestras também, porém com o meu conteúdo, mas conduzida e organizada por alguém que saiba fazer isso.

O que você busca com estes projetos?

Levar informação sempre. E confortar as mães. Seja com dicas de produtos ou com relatos da minha experiência. O blog surgiu com esse intuito e sempre seguirá isso.

Ganha dinheiro?
Hoje posso dizer que sim. No começo eu recebia apenas ajuda de custo do portal onde o blog estava hospedado. Depois de ficar independente, tive uns meses de fortalecimento de marca e desde então fecho de três a quatro projetos mensais, mas sempre com empresas e produtos que tenham a ver com a nossa vida ou coerente com o que eu acredito, com os conteúdos do blog.

A TV também gera outras atividades que vc ganha dinheiro como Eventos e Publicidades. Você é muito solicitada? Quanto representa isso na sua renda mensal?
Minha renda mensal é 90% eventos e publicidade. Vivo disso por conta do blog. Os outros 10% vem de shows corporativos e o show que faço 1x por mês em São Paulo.

Uma das características do empreendedor é ser um devorador de livros, isso faz parte da sua rotina?

Leio muito, mas não tanto sobre empreendedorismo. Leio sobre crescimento digital e muito romance e suspense policial, o único que li de empreendedorismo, não por acaso, foi o do Marcos Scaldelai.

Você já investiu errado? Deu algum passo maior que a perna?
Sou muito conservadora quanto à investimentos. Desde os modelos onde invisto meu dinheiro no banco, até entrar em algum projeto. Por essa razão, posso até ter perdido alguma oportunidade, mas nunca dei passo maior que a perna.

*Antonio Luis, especial para o Brasil Econômico.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.